25.1.07

Da dissolução

A demissão do Estado em questões de ordem moral é uma das piores heranças da malfadada revolução francesa, e a questão do aborto é paradigmática desta realidade. A não invasão do intimo, ou daquilo que nele foi confinado como consciência individual e inviolável pelo colectivo, é a face do Estado que não se compromete. Mais, é a realização do individuo movido pelo primado da vontade, subjugando qualquer outro motivo que, assim, passa automaticamente a ser de menor valor.
À republica democrática compete julgar o que a ela se opõe. Ou seja, que contradiga a lógica relativista do individualismo ou ponha em causa o carácter anti-dogmático do conhecimento. É por isso que o juízo de valor passa a ser da responsabilidade única do cidadão, como se a moral não fosse mais do que uma escolha gnóstica da vontade. Aqui se apresenta a separação total entre o social e o individual e se preconiza a igualdade perante a lei e a diferença nos valores, remetendo à justiça o papel de defensora do regime e aos indivíduos a escolha do Bem e do Mal.
Todos sabemos quais foram as resposta ideológicas a este fenómeno, desde o nacional-socialismo até ao comunismo. Um no totalitarismo da vontade de um povo assente no pressuposto racial, outro no determinismo do materialismo dialéctico pré-disposto a negar o passado e a garantir o futuro igualitário, sem alteração e ininterrupto na eternidade do mundo físico. Acaso esquecemos nós que para Marx a consciência era apenas um estado da matéria e que em pouco mais distinguiu o Homem do restante?

O que ao Estado falta, sendo sua obrigação, é a condução moral, obedecendo ao que de exterior ao próprio Homem existe. O que na república democrática podemos encontrar é a negação dessa responsabilidade e o marasmo total de um aglomerado de pessoas unidas na máquina pública de soberania, ou seja no abstracto.
Enquanto não encontramos o caminho que nos religue à perpetua manutenção dos valores que nos são superiores, não alcançaremos a estabilidade moral que destrua a convulsão social. E se assim não for, todos serão donos da verdade e não haverá jamais uma verdade que una um povo.

3 Comentários:

Blogger alex disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

20:27  
Blogger ab disse...

Tem que haver (algumas) normas?
Claro que sim.
Gerais e abstractas, para todos cumprirem.

Mas era só o que faltava dar (ainda) mais poderes ao Estado sobre as nossas vidas.

Cada vez me parecem mais óbvias as vantagens da Minarquia

20:40  
Blogger O Corcunda disse...

Este senhor AB lembra-me um senhor amante da horticultura (de abóboras e batatas) de Vinhais...

19:09  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial