15.12.06

Escrita nocturna... (III)

Já não sei o que faço à janela!
Já não sei perder-me nela.

Os anseios,
os devaneios,
os clamores que dali soltei...
Foram todos no vento,
aquele que passa para se reconhecer
Deus.

E adeus.

Já não voltam mais
os gritos infernais
de quem desce à morte
não querendo ressuscitar.

E como não voltar à Vida?
Como não?...
Haverá outra ventura
maior?

Voltei.
Sim, voltei,
quase como quem não quer!
Se ficar não morro mais
e se não morrer não saio do perder.

À janela,
olhando o mundo fora dele,
espreitando apenas,
modificando apenas,
alterando pequenos nadas... apenas.

Apenas?!

Na janela sou e não sou.
Estou e não comungo.
Mas não fujo às penas.

Ninguém foge,
mesmo na janela,
e nem mesmo perdido dela.

Abre, sente, respira!
Da janela da Verdade a Verdade se inspira.

SRA

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial