11.12.06

Escrita nocturna... (II)

Finda o Sol,
fica o Oriente!

A Esperança da Vida
que Se faz à Terra prometida,
Salva quem Lhe reconhece,
comprometida,
o Valor do que padece.

Por Amor,
por Caridade,
entrega a Vida ao Nascente,
que agora é Poente,
quase por Saudade.

Alimenta-A na noite,
na escura e tenebrosa loucura
dos que procuram o Infinito
com a calma da doçura.

Mas de um doce que enlouquece
constantemente, porque padece.
E o Amor que nunca se esquece
é todo ele loucura.

Vem Oriente salvar,
de raios que irrompem o medo.
Deixa só o temor
e o calor...
do Amor.

Manhã que tardas,
Manhã eterna da eterna Luz,
Vences a noite porque És eterna
e o teu Oriente é o da Cruz.

SRA

4 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

Parabéns! Que bem que escreve... :)
Deve ter uma verdadeira musa inspiradora...!

22:48  
Blogger Simão dos Reis Agostinho disse...

Caro anónimo
Não gosto de musas, pelo menos no sentido habitual do termo. Mas se a considerarmos, talvez seja uma que procuro incessantemente, porque se a soubesse não teria mais meta na minha pena.
abraço e obrigado pelas palavras.

22:53  
Anonymous Anónimo disse...

Se a procura incessantemente, pode acreditar que não será dificil que ela se renda perante tão belas palavras... :)

00:43  
Blogger Simão dos Reis Agostinho disse...

Isso só ela poderá dizer...

00:57  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial