22.11.06

Dom Duarte e a Democracia (I)

Lá fui assistir à apresentação do livro e gramar o Alegre a falar patranha, mais meia dúzia de emproados de copo e charuto na mão e os aplausos aos vendidos do sistema. "Vergonhoso!" resume tudo. E como estou bastante irritado com o que vi e ouvi, encerro por aqui este postal para voltar amanhã já mais calmo.

ps: pena não o ter encontrado caro amigo, ao menos isso salvaria a tarde.

6 Comentários:

Blogger Paulo Cunha Porto disse...

Estes acontecimentos sociais roubam horas que seriam preciosas para a leitura e blogação.
Abraço.

22:07  
Blogger Simão dos Reis Agostinho disse...

Nem mais caro Paulo, eu tou IRRITADO que nem imagina!!!! aconteceram coisas naquele Chiado que eu nem sei!!!... Mas amanhã darei pormenores. VOU DESANCAR AQUELA GENTE TODA! AHAHAH

abraço

22:10  
Anonymous António Bastos disse...

Ver um dos herdeiros da Carbonária mas uma vez procurar esvaziar a questão do regime reduzindo-a a uma mera opção estética, fazer a apologia do terceiro mundismo (isto é do marxismo), cofundir o Integralismo Lusitano, que nós tanto prezamos, com autoritarismo é uma demonstração de má fé e estupidez indescrítiveis! Haja respeito pela memória de António Sardinha, Almeida Braga, Rui Ulrich, Hipólito Raposo e outros! Aquele jacobino evoca-me o sofrimento dos povos do nosso antigo ultramar que nós abandonámos daquela forma vergonhosa e criminosa que todos sabemos. A história prova-nos que a cedência ao fanatismo, sob a capa da tolerância, apenas serve para o fortalecer. Que tristeza!
Como escrevia o Mestre Blogosférico Corcunda citando o outro Mestre Sardinha "monárquicos porque patriotas". Sabendo que a maçonaria tem por objectivo diluir a identidade dos povos para os integrar numa "pátria" universal, abstrata e metafísica, como pode um maçon e republicano falar de patriotismo? Que cinismo asqueroso!
Por hoje chega de desabafos!

23:06  
Blogger Simão dos Reis Agostinho disse...

"nacionalistas por principio, monárquicos por conclusão". É isto que nos deve mover: o princípio monárquico, que vale em si e por si. Chega de "duartices". Fartei-me!!!

abraço amigo correlegionário

23:14  
Blogger O Corcunda disse...

Calma Simão. Saí ainda antes de ouvir o Senhor Dom Duarte... Percebi que não ia saír nada de importante daquela alocução. Fiquei triste, embora mais monárquico! Ver aquele Partido Republicano de D. Duarte deu-me mais vontade de servir a monarquia portuguesa e os seus legítimos representantes. Nisso é importante respeitar os titulares das instituições, sabendo que eles são muito superiores às opiniões que têm e às pessoas que os rodeiam.
Entristece-nos, mas não temos outra forma de ser que não seja Servir. Servir não é, porém, obedecer cegamente, como a Monarquia Portuguesa não é um rei, como Portugal não é uma geração.

Envio um abraço ao Simão e ao António, lembrando que (por desleixo) ainda não terminei o mestrado...

23:46  
Blogger Simão dos Reis Agostinho disse...

Oh caro Corcunda, mas saltaram-me as veias do pescoço! Foi a palhaçada a que assisti, mais a que revi naquela juventude pseudo-qualquer-coisa que me irrita demasiado para não escaparem um dia a uma lutazinha mais pensada, calma e consequente.
Também saí mais cedo, por dois motivos: primeiro porque não suportava mais ouvir patranhas gratuitas numa troca de favores entre Alegre a Dom Duarte (se Alegre não tivesse ido não aparecia aquela imprensa, e se não fosse aquela ocasião Alegre não teria espaço mediático) e segundo porque fizeram o favor me mandaram embora! Mas isso explico amanhã!
Compreende caro Corcunda, porque insisto na separação entre a Acção e a Casa Real? É que não são só os que rodeiam o Senhor, é o próprio Dom Duarte!

abraço caríssimo MESTRE

23:56  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial