10.10.07

Vida e destino

A vida extingue-se onde existe o empenho de apagar as diferenças e as particularidades por meio da violência”, Vassili Grossman
Lendo o suplemento literário do ABC do passado fim-de-semana deparo com um artigo interessante sobre aquele que é um dos grandes romances do séc. XX, “Vida e destino” de Vassili Grossman, um judeu soviético nascido em 1905 em Berdichev, na Ucrânia. A primeira vez que ouvi falar deste escritor foi ao ler “Le passé d’une illusion” de François Furet no qual este o insere na galeria daqueles que esboçaram uma tentativa de compreender o fenómeno totalitário antes de isto ser feitos por académicos como Arendt ou Voegelin, entre outros. O romance inspira-se em parte na “Guerra e Paz” de Tolstoi e, tal como este, tem como pano de fundo um acontecimento bélico, neste caso a batalha de Estalingrado durante o inverno de 1942-43 que Grossman acompanhou de perto visto nela ter sido correspondente do Exército Vermelho, tal como o foi em Berlim até ao final do conflito em 1945. Este mesmo facto permitiu-lhe visitar Treblinka pouco tempo depois da sua libertação. O romance foi salvo do esquecimento graças a Sakharov que microfilmou um exemplar dactilografado que tinha escapado a uma rusga do KGB e o trouxe para o Ocidente.
O que há de extraordinário neste romance, que confesso que ainda não li, é o facto de ousar quebrar aquilo que ainda hoje é um tabu, isto é, estabelecer um paralelismo entre os dois totalitarismos e perceber como precisam um do outro visto para se expandirem visto serem o simétrico um doutro tal como uma imagem ao espelho. Daí nada haver de surpreendente no pacto germano-soviético assinado em Agosto de 1939 entre Ribbentrop e Molotov. Grossman apercebe-se do horror do drama do povo russo que generosamente combateu o invasor alemão com um indizível sofrimento não se apercebendo de que ao faze-lo estava, na realidade, a reforçar o seu próprio carrasco, Estaline, e a fornecer-lhe “credenciais antifascistas”e, por conseguinte, democráticas. Isto dentro do raciocínio/cilada criado pelo génio do mal Munzenberg. Para trás ficavam as hediondas purgas dos anos trinta, o genocídio pela fome dos Koulaks.
O que torna ainda hoje o anticomunismo um tabu e o totalitarismo comunista visto, não como intrinsecamente mau, mas como bom apesar dos “desvios” que todos estes regimes inevitavelmente tiveram, é o facto de a tão venerada democracia assentar nos mesmos princípios liberais (todos eles “empestados” de imanência), que levam à atomização dos indivíduos, e que se inscrevem no “sentido da história” ao contrário do que acontece com o fascismo. Não é por acaso que Lenine dizia que a “ditaduras revolucionárias serão mil vezes mais democráticas do que a democracia das repúblicas parlamentares”. Furet diz no seu livro falando do totalitarismo que “o seu berço é a democracia moderna, ou antes uma forma degradada de democracia (será que haverá uma perfeita, pergunto eu? Nota do tradutor.) na qual a sociedade mais não é do que um agregado de indivíduos isolados uns dos outros e privados de laços cívicos”. Um dos denominadores comuns a estes dois regimes a demanda dessa sinistra “cenoura” da igualdade. Grossman é, pois, importante para ajudar a compreender este triste início de séc. XXI que está todo ele impregnado pela ideologia igualitarista. Não sei se o livro está publicado cá em Portugal, mas confesso que gostaria de o ler logo que possível.

3 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

- - - ALAMEDA DIGITAL - - -

LEIA

ASSINE

DIVULGUE

http://www.alamedadigital.com.pt/n9/

10:06  
Blogger Yaro Gabriel disse...

www0609


ysl outlet
michael kors outlet
moncler outlet
canada goose jackets
nhl jerseys
cheap jordans
michael kors outlet
coach handbags
polo ralph lauren
true religion jeans

02:34  
Blogger Fghkfhk Dfgaert disse...

qzz0626
canada goose outlet
cheap nfl jerseys
pandora charms
coach outlet
polo ralph lauren
canada goose outlet
pandora charms
mbt shoes
g-star jeans
chopard jewelry

08:29  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial