4.12.09

Minaretes

Foi com satisfação que soube do resultado do referendo realizado na Suíça no passado domingo a propósito da possibilidade de construção de minaretes. Que magnífica demonstração de coragem face ao matraquear permanente dos media a favor do resultado contrário. Mas o mais divertido tem sido observar as reacções de jornalistas, de políticos, comentadores de “referência”, que vêm apelar à abjecta tolerância. Que magnífica bofetada que as “elites” levaram! O resultado deste referendo, que de resto e como de costume nenhuma sondagem previu bem antes pelo contrário, veio mais uma vez mostrar o profundo e crescente divórcio existente entre os povos e os seus “representantes”. Uma das reacções mais patéticas veio do famoso “soixante-huitard”, Cohen-Bendit, que no mais puro espírito “democrático” europeu, leia-se de Bruxelas, ao qual os irlandeses recentemente foram submetidos, veio apelar à repetição do referendo. Não deixa de ser interessante constatar o supremo desprezo que estes senhores, cuja boca transborda democracia, nutrem pela expressão da vontade popular. Ocorrem-me neste momento as sábias, e de certa forma premonitórias, palavras de Burke:

“You will smile here at the consistency of those democratists, who, when they are not on their guard, treat the humbler part of the community with the greatest contempt, whilst, at the same time, they pretend to make them the depositories of all power.”

O referendo tem dado ocasião a muitos debates e mesmo sondagens “on-line” feitas na sua maioria por jornais e todas confirmam o resultado suíço. Em França, na qual há várias mesquitas em construção nomeadamente uma muito grande em Marselha, os edis estão preocupados com o clamor crescente a favor de um referendo local sabendo eles que tal se saldaria por uma enorme derrota do “politicamente correcto”. Estamos fartos desta “elites” traidoras da nossa Civilização, e por isso anti-cristãs, no fundo as mesmas que comemoraram cá em Lisboa a ratificação do “Tratado de Lisboa”. Quando e como nos libertaremos destes senhores? Impossivel responder a esta pergunta, o que é preocupante.

4 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

Sobre os minaretes, os mesmos nada têm a ver o islam original.
Na verdade, são mais um insulto a maomé.
Também não admira que o sejam.
Se visto e analisado ao pormenor, quase tudo ou mesmo tudo no islam, são insultos ao próprio islam e a maomé.
Até por essa razão, todo o islam devia ser proibido em toda a parte.
Como se sabe, o islam não reconhece o outro, nem que o outro fosse um Allah Bom e Vivo.
O maometismo estupidificou de tal modo os enganados por maomé, que estes nem se apercebem do que dizem e fazem.
___________________________________________________

Para que se saiba.
Na prática a última coisa que maomé fez foi assassinar o seu próprio allah maometano.
Disse que o seu allah não mais falaria e que ficava sem espírito.
Mas antes, e no islam, maomé tirou o filho a allah e castrou-o para que nem descendência pudesse deixar.
maomé também antes, assassinou a familia de allah, os amigos e todas as entidades espirituais boas,anjos, arcanjos, santos e outras.
Pior ainda. No islam as coisas são cada vez piores.
No islam, maomé só deixou o diabo à solta.
No islam, satanás é a única entidade espiritual activa e que sussurra aos maometanos.
Os maometanos eruditos podem confirmar isto.
Dão é depois voltas e mais voltas a justificar, mas isso só prova que o islam é muito hábil a enganar
os próprios e a tentar enganar os outros.
Pode-se dizer que isto acontece no mundo imaginário, mas é este mundo imaginário que controla o maometismo.
Estas verdades dão uma ideia da intolerância e satanismo que existe na doutrina maometana.
Para maomé um allah vivo ou qualquer entidade espiritual boa viva, seriam os maiores perigos ao seu poder.
Nem o próprio allah maometano podia escapar com vida às mãos de maomé.
Só fora do islam o bem(bom-senso/razão) e o Bom Deus podem existir, estarem vivos e manifestarem-se no mundo e nas pessoas.
___________________________________________________________________


Mais coisas que se vão descobrindo sobre o islam.
Um muçulmano pode ser o maior criminoso em relação aos não muçulmanos e mesmo para com muçulmanos.
Os outros muçulmanos não o julgam, allah sabe mais e allah é que o julgará.
Ele, o muçulmano criminoso, pode ter feito coisas proveitosas para o islam, e os outros muçulmanos não o saberem.

Um não-muçulmano pode ser a melhor e a mais santa das pessoas.
Para os muçulmanos não tem valor e é para submeter.
Para o islam, o pior muçulmano está acima do melhor não muçulmano.

Um não-muçulmano pode fazer o melhor dos bens aos muçulmanos, estes nada lhe agradecem.
Agradecem só a allah, mesmo que allah os tenha posto ou ponha na maior das desgraças e misérias.

Os muçulmanos nunca podem por em causa maomé e allah, quando foi o próprio maomé a revelar-nos que
o seu allah era o responsável por todo o mal do mundo.

Os muçulmanos dizem o que dizem e fazem o que fazem, porque isso lhes traz proveitos e os não muçulmanos, continuam
cegos e a não quererem ver o que o islam realmente foi, é e quer ser.
Está tudo escrito, é só dar um pouco de atenção para descobrir estas e outras verdades sobre aquela coisa, o islam.

O islam aproveita-se da bondade, generosidade, ingenuidade e passividade dos não-muçulmanos, para ir construindo a
sua maldade.

Mesmo que isso passe por desmascarar o mais mascarado dos males, tipo islam, as boas pessoas têm o direito, dever
e obrigação de defenderem e construírem o bem.

23:46  
Blogger O Reaccionário disse...

Quando e como nos libertaremos destes senhores? Bem, sempre podemos começar por organizar numa verdadeira Reacção. E que tal um novo Integralismo Lusitano ou uma Acção Portuguesa sob o patronato dos Heróis de 1640? É que está mais que visto, que sozinhos e desmembrados, não nos conseguimos ver livre deles.

18:13  
Blogger António Bastos disse...

Tem razão amigo Reaccionário, sozinhos não vamos lá, mas dada a apatia generalizada e o cada vez maior desconhecimento daquilo que é Portugal não estou a ver por que ponta se pegue. Quem sabe hoje quem são os Heróis de 1640? O Portugal no qual surgiu o Integralismo estava, mesmo após a monarquia liberal e a sua sucessora lógica república, muito menos descristianizado do que hoje, é isso que me preocupa muito.
Cumprimentos

10:27  
Anonymous Anónimo disse...

complexe reckless justiciable stability fifty challengethe producer landlords anand gifted admin
semelokertes marchimundui

07:24  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial