26.11.06

Dom Duarte e a Democracia (V)

Custa-me discordar com o caríssimo Corcunda, arriscando-me claramente a fazer má figura, mas continuo a considerar o referendo como contraditório e deturpador da essência monárquica.
Diz o caro amigo da necessidade de positivar o regime. Digo eu que o método plebiscitário não se coaduna com o que se está a referendar. Ou seja, mesmo que seja necessário positivar a monarquia, a forma de votação individual seria a pior escolhida, por todos os motivos já aqui desenvolvidos.

Ou não?

5 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

Não percebo porquê...
Porque é que o voto não poderá ser o prescindir dos actuais direitos de escolha da chefia de Estado, uma passagem da dependência da vontade para a dependência da Lei?
Não acha que as armas teriam exactamente o mesmo valor que o voto?
Qual seria a alternativa?

Um abraço

O Corcunda

22:56  
Blogger Simão dos Reis Agostinho disse...

E a escolha da dependência da Lei faz-se com a regra da dependência da vontade?! Não me parece certo.

Quanto a soluções, já apresentei a minha ideia: positivar pela consequência directa de uma acção doutrinária consistente e realista. Ora isto exclui, do meu ponto de vista, a forma referendária, já que não se trata de campanha eleitoral, mas de um esclarecimento do reino e dos súbditos acerca da chefia de estado monárquica e da sua Justiça e noção civilizacionais. Essa consequência da doutrina, que aclara as intenções do homem quanto ao regime, degenera se abrir fogo contra os que se recusam a abdicar do conforto republicano, por gerar guerra civil, o que não serviria o propósito de esclarecimento. Serviria sim, se fosse bem feito, a união nacional numa só intenção que fosse a de fazer Portugal reencontrar-se.

abraço... e que se doutrine!

23:56  
Anonymous Anónimo disse...

Caro amigo,

A lei e as ordens políticas são sempre estruturas contractualizadas que têm como referência um elemento mais perfeito, a Natureza, que não vigora em si mesmo. Essa foi uma tentação em que os revolucionários sempre caíram...
Doutrinar, mas com prudência. Explicar sempre que a instauração da Monarquia significa a entrada no domínio de elementos que não são involuntários e passíveis de escolha futura.

Abraço

Corcunda

18:06  
Anonymous Anónimo disse...

Respeito muito a acção de "doutrinar". Mas infelizmente não vislumbro, por essa via, um «levantamento esclarecido» nos próximos 50 anos ... era preciso que não houvesse o ruído público e a iliteracia que há. É a minha opinião. Enfim...

22:35  
Blogger chenlina disse...

chenlina20160428
kate spade handbags
louis vuitton handbags
coach outlet store online clearances
oakley sunglasses outlet
oakley canada
hollister clothing
oakley sunglasses
coach factory outlet
ray ban sunglasses
louis vuitton handbags
tiffany outlet
ray bans
adidas shoes
nike trainers uk
jordan retro
louis vuitton handbags
hollister outlet
ray ban outlet
polo outlet
hollister outlet
cartier watches
air jordans
cheap oakleys
toms shoes
coach outlet store online
rolex watches
nike outlet
ray ban sunglasses
kobe 9
nike roshe flyknit
kobe 10
coach outlet store online clearances
polo ralph lauren outlet
cheap toms
michael kors outlet
louis vuitton handbags
christian louboutin shoes
replica watches
ralph lauren
canada goose jackets
as

04:40  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial