19.1.09

Utopias e ideologias

Uma das coisas que mais me diverte fazer é, em situações de conversa sobre política e quando oiço alguém lamentar-se do estado do país, tentar explicar que o regime está estruturado para o saque, nada havendo a esperar de melhorias no contexto actual. No fundo trata-se colocar as pessoas perante as suas incoerências, porque considero essencial que se definam politicamente, não sendo possível lamentar o descalabro do país sem questionar tudo aquilo que o possibilitou. Ainda recentemente falando com uma pessoa lhe dizia que, contrariamente à versão oficial, ditadura temos nós hoje na medida em que temos um regime no qual o poder é exercido em benefício próprio sendo fruto do nosso trabalho é transferido para os amigalhaços do poder por intermédio das derrapagens nos custos de obras públicas, estudos de consultadoria encomendadas a empresas de amigos, entre outros exemplos. Passado algum tempo essa mesma pessoa vem ter comigo e diz-me que eu não podia ser assim tão saudosista porque apesar da corrupção e todos esses aspectos lamentáveis que eu lhe tinha referido, eu não podia negar todo o imenso progresso que, segundo ele, tem havido. Ao que eu lhe retorqui que o modelo de crescimento adoptado é insustentável visto que o país está cada vez mais endividado, isto já para não falar de toda a profunda degradação moral e “desportugalização” que tem sofrido. O interessante em tudo isto é assistir à “luta” entre a ideologia (e a utopia que lhe está associada) e a realidade na mente de muito boa gente, sobretudo daqueles com maior formação académica, e que, por isso, foram mais submetidos à “formatação ideológica” que o ensino faculta. No caso de ser a ideologia a “ganhar” na sua mente a pessoa em questão tende a recusar o real, evitando a partir daí conversar sobre política e deixando de se lamentar sobre a situação do país, numa autêntica demonstração de autocensura, naquilo a que gosto de chamar “fenómeno anémona”, na medida em que a pessoa se fecha sobre si própria. A propósito disto lembro-me de uma passagem que li num livro de Jean-François Revel, “Le regain démocratique” (1992), num capítulo sobre as utopias, intitulado precisamente “Comment finissent les utopies” e onde se pode ler o seguinte:
“As utopias resultam da capacidade humana em projectar sobre o real construções mentais activas que podem resistir muito tempos às evidências, manterem-se cegas às catástrofes que provocam, mas que acabam por se dissipar sob a convergência do falhanço objectivo e do desgaste subjectivo. Mas o mistério é que o desgaste subjectivo, a perda de ilusões ideológicas, não é apenas a consequência directa ou imediata do falhanço objectivo. Ele pode sobreviver por muito tempo.”
Daí a persistência de um subconsciente marxista em muito boa gente, mesmo em pessoas que se consideram de direita. Esta capacidade de projectar “construções mentais” sobre o real resulta da necessidade que os homens têm de criar modelos para prever a realidade, isentando-se assim de responsabilidades. É por isso que creio que, no caso português, o “preço a pagar” para "a perda de ilusões ideológicas”, será o da bancarrota, algo que, tendo em conta o evoluir das finanças públicas nos últimos anos e o endividamento galopante do país, nada tem de surrealista. Acompanhemos então as cenas dos próximos capítulos.

2 Comentários:

Blogger 日月神教-任我行 disse...

AV,無碼,a片免費看,自拍貼圖,伊莉,微風論壇,成人聊天室,成人電影,成人文學,成人貼圖區,成人網站,一葉情貼圖片區,色情漫畫,言情小說,情色論壇,臺灣情色網,色情影片,色情,成人影城,080視訊聊天室,a片,A漫,h漫,麗的色遊戲,同志色教館,AV女優,SEX,咆哮小老鼠,85cc免費影片,正妹牆,ut聊天室,豆豆聊天室,聊天室,情色小說,aio,成人,微風成人,做愛,成人貼圖,18成人,嘟嘟成人網,aio交友愛情館,情色文學,色情小說,色情網站,情色,A片下載,嘟嘟情人色網,成人影片,成人圖片,成人文章,成人小說,成人漫畫,視訊聊天室,性愛,性感影片,正妹,聊天室,
情色論壇

21:24  
Blogger 日月神教-向左使 disse...

.................................................
.

08:21  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial